BRASIL, Mulher, NEUSA MARIA PAGANI PANICE,BAURU/SP

 

   

    UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
  canilfh.com.br
  hotelariafh.sites.uol.com.br
  HOTELARIA
  curiosidades


 

   
 

  Todas as mensagens
  Evento
  VIAGEM
  PIADAS
  CÃES
  GATOS
  outros


 

   

   


 
 
CANIL E GATIL F.H.

CÃES



baile fantasia



Escrito por nepapa às 00:58:08
[   ] [ envie esta mensagem ]




baile fantasia



Escrito por nepapa às 00:55:21
[   ] [ envie esta mensagem ]




A evolução dos bichos

Depois de os canídeos selvagens aprenderem a não atacar o homem, a evolução destes animais desenvolveu-se rapidamente. A história de uma relação de interesses, que culminou nos cães domesticados que tão bem conhecemos hoje.

Destaque: PONTO DE VISTA O fotógrafo Robert Clark



Escrito por nepapa às 23:07:53
[   ] [ envie esta mensagem ]




Amor de Bicho

Os cães e o homem têm dois tipos de relações: trabalho e afecto.
Alguns cães ajudam a caçar, a guardar gado, a guiar cegos ou a procurar sobreviventes de tragédias. Outros respeitam o homem com afecto e lealdade. Do trabalho ao mimo, um retrato fiel dos dias que correm.



Escrito por nepapa às 23:02:44
[   ] [ envie esta mensagem ]




Instinto animal


O KELPIE AUSTRALIANO DE TRABALHO


Karana Hawk
Em ranchos na América do Norte, como no cerrado australiano, o Kelpie de trabalho geralmente trabalha sem supervisão, confiando no seu próprio instinto para achar e reunir rebanho.

O Kelpie de trabalho é um cachorro ativo, hábil e sempre pronto para o trabalho. Ele originou-se por volta de 1870, desempenhando um papel importante no desenvolvimento do rebanho ovino e da industria da lã na Austrália. Descendente do "coley de trabalho" Britânico (originado do Border Collie), o Kelpie foi criado para as adversidades, clima quente, terras extensas, e o indomável Merino da Austrália. O Kelpie, sendo um cachorro natural de trabalho, foi bem aclimatado para as hostis condições desse país



Escrito por nepapa às 22:38:57
[   ] [ envie esta mensagem ]




Vamos proteger os animais

Instituto de Proteção Os Animais do Brasil -IPAB Visa criar meios eficazes de combater os atos de crueldade praticados contra os animais ,com base nos regulamentos federais,estaduais e municipais,e através da cooperação dos órgãos governamentais e da iniciativa privada. Auxilia na a doação e adoção de animais domesticos,orienta como proceder em casos de denuncias de maus tratos.



Escrito por nepapa às 18:58:40
[   ] [ envie esta mensagem ]




Adote um animal

DIA NACIONAL DE ADOTAR UM ANIMAL

O dia 4 de outubro é dedicado a São Francisco de Assis. Nascido em 1182,em uma rica família mercante do norte da Itália, onde inicialmente continuou o negócio de seu pai. Depois de um período de prisão por envolvimento em uma disputa de fronteiras em 1202,abandonou tudo em favor da vida religiosa.

Seu ensinamento refletia um profundo amor ao mundo natural e respeito pelas mais humildes das criaturas. Por estas atitudes passou a ser considerado o protetor dos animais e patrono da Ecologia.

Idealizei e estou empenhada em criar uma data especial para incentivarmos a adoção dos animais abandonados. O dia escolhido foi 4 de outubro, dia de São Francisco de Assis, o verdadeiro protetor dos animais deverá se transformar no DIA NACIONAL DE ADOTAR UM ANIMAL.

Por que devemos apoiar o Dia Nacional de Adotar um Animal?

Existem milhares à espera de uma chance. Uma chance de encontrar comida, um teto, saúde e carinho. Enfim, de encontrar uma família, que possa tratá-los com respeito e dignidade. A idéia não é sómente incentivar a adoção apenas no sentido da palavra, mas que ela seja vista como uma opção na hora de adquirir um animal, sem preconceitos.Nesta data também precisamos fazer uma mobilização em prol da posse responsável e da castração , como uma maneira de garantirmos aos animais uma condição digna de vida, através de eventos realizados em várias cidades.

Como você pode participar:

Divulgando esta proposta para seus amigos, nas escolas, nas igrejas, enfim ecoando no coração das pessoas.Através de cartazes confeccionados com muito carinho e criatividade, voce podera divulgar em vários locais públicos, clinicas veterinárias e pet shops.Cada aliado que se disponha ajudar , será sempre uma grande conquista e aumentará a possibilidade de diminuirmos o número de animais abandonados.

A sua entidade poderá realizar eventos de manifestação de apoio e assim, fortalecer a sua participação neste processo de valorização e respeito ao animal na sociedade.Nos comunique sobre o evento a ser realizado, e estaremos divulgando no Informativo deste Guia.

Todas as sugestões que possam contribuir para que a data seja comemorada com muito entusiasmo e dinamismo , devem ser enviadas para mim.

Dia 4 de Outubro - Dia Nacional de Adotar um Animal -
Plante a semente da caridade e colha os frutos do amor!



Escrito por nepapa às 22:36:06
[   ] [ envie esta mensagem ]




 

Parvovirose Canina

  José Brites Neto
Médico Veterinário

Introdução

No fim do ano de 1978, uma nova doença viral de cães, caracterizada por diarréia hemorrágica severa e vômitos, foi reconhecida.

A doença causada por um parvovírus manifesta-se de duas formas, que são a forma entérica e a forma miocárdica. A forma entérica é mais freqüentemente reconhecida, por mostrar sinais evidentes. A forma miocárdica é geralmente diagnosticada no post-mortem, pois a maioria dos animais morre subitamente sem mostrar sinais clínicos.

Onde a doença se originou e por que ela apareceu subitamente e quase que espontaneamente em várias partes do mundo ao mesmo tempo não é sabido. Tem sido sugerido que, devido à semelhança antigênica com o vírus da panleucopenia felina, o vírus da parvovirose canina seja um mutante de uma linhagem de campo do vírus felino.

Diagnóstico

As alterações hispatológicas em cães infectados, apesar de serem características, só podem ser usadas para confirmação post-mortem. O exame ao microscópio eletrônico de extratos fecais é diagnosticamente confiável. O exame de imunofluorescência direta em esfregaços de intestino e o isolamento do vírus também têm sido empregados. A sorologia, empregando os métodos de inibição da hemoaglutinação (HI) e soroneutralização (SN) podem ser usados mas, por si só, não são conclusivos, pois os títulos de HI e SN podem ser elevados pela vacinação em adição à exposição natural. Somente a detecção do vírus nas fezes e/ou a demonstração de

anticorpos IgM no soro confirmam positivamente a infecção aguda.



Escrito por nepapa às 00:40:21
[   ] [ envie esta mensagem ]




Cinomose

Cinomose

Enfermidade infecto contagiosa, que afeta só os cães entre os animais domésticos e os canídeos silvestres.

Causada por um vírus que sobrevive por muito tempo em ambiente seco e frio, e menos de um mês em local quente e úmido; muito sensível ao calor, luz solar e desinfetantes comuns.

Não escolhe sexo ou raça, nem a época do ano. Ocorre mais em jovens, mas animais idosos também podem se contaminar se não vacinados.

Se infectam (contaminam) por contato direto ou pelas vias respiratórias, pelo ar contaminado.

A  transmissão direta é por secreções do nariz e boca de animais infectados (espirros e gotículas que saem do nariz quando se respira) é a principal fonte de infecção. O animal doente espirra e contamina o ambiente e os animais que estejam perto. Inclusive, se tiver um ser humano por perto, o vírus pode ser carregado por ele até um animal sadio.

O animal pode se contaminar pela via respiratória ou por via digestiva, por contato direto ou fômites ( pode ser um objeto ou um ser humano, por exemplo, que carregam o vírus na roupa, nos sapatos) , água e alimentos contaminados por secreções de cães doentes.

Após o animal ser infectado, ocorre o período de incubação do vírus (digamos que seja o período que ocorre entre o vírus entrar no corpo e o corpo começar a manifestar os sintomas da doença) por 3 a 6 dias , ou até 15 dias, e depois disso a temperatura pode chegar a 41ºC, haver perda de apetite, corrimento ocular e nasal . Este estado dura mais ou menos 1 a 2 dias.

Depois se segue um período de 2 a 3 dias, as vezes meses, em que parece que tudo volta ao normal.

Depois disso podem aparecer os sinais e sintomas típicos da cinomose, dependendo da resposta imunitária do animal.

Pode haver sintomas digestivos (diarréia e vômito), respiratórios (corrimento nasal e ocular) ou nervosos ( tiques nervosos, convulsões, paralisias, etc) ou haver associação deles.

O animal pode morrer tendo desenvolvido só uma das fases da doença ou sobreviver desenvolvendo todas, podem desenvolver cada tipo de sintoma aos poucos ou todos juntos.

Normalmente os primeiros sintomas da 2º fase são febre , falta de apetite, vômitos, diarréia, dificuldade para respirar.

Depois conjuntivite com secreção , corrimento nasal, com crostas no focinho, e pneumonia.

Pode se seguir por 1 a 2 semanas e daí aparecerem os sintomas nervosos: tiques nervosos, depois sintomas de lesões no cérebro e medula espinhal.

Em alguns, por inflamação no cérebro, os animais ficam agressivos, não conseguem as vezes reconhecer seu dono.
Em outros ocorre paralisia dos músculos da face em que o animal não consegue abrir a boca nem para tomar água, apatia profunda.
Por lesões no cérebro e na medula espinhal, andar cambaleante, paralisia no quarto posterior (‘descadeirado’). Dificilmente os sintomas são estacionários (vão piorando sempre, de maneira lenta ou rápida).

É de difícil tratamento, dependendo quase exclusivamente do cão, e de sua capacidade de ter uma resposta imunológica suficiente, sua sobrevivência ou não.
Digo 'quase exclusivamente' porque o veterinário pode ajudar eliminando coisas que podem atrapalhar sua “guerra” com a doença, como as infecções que ele pode ter por fraqueza (queda de resistência), aconselhar uma alimentação correta, receitar medicamentos que ajudem a combater as inflamações no cérebro, receitar uma medicação que tente aumentar sua resistência, etc.

Sua evolução é imprevisível, ou seja, quando o cão adoece, não há como saber se ele vai se salvar ou não, ou se sua morte vai ser rápida ou lenta.

A melhor solução ainda é a prevenção, ou seja, vacinar corretamente.

Obs: Na enorme maioria dos casos não se aconselha a vacinar um animal suspeito de ter a doença. A vacina, nestes casos, pode "sabotar" o combate do animal à doença, já que também sobrecarrega o sistema imune em um primeiro momento.

 



Escrito por nepapa às 00:29:12
[   ] [ envie esta mensagem ]





[ ver mensagens anteriores ]